Pular para o conteúdo principal

CONSULTA NA UMBANDA




Consulta na Umbanda


Um grande “atrativo” nos trabalhos da Umbanda é o da consulta por meio da Psicofonia. A entidade do médium está incorporada não só para trazer orientações ao seu aparelho, como também fica “à disposição” dos irmãos assistentes, que se aproximam para ter uma palavra de ajuda, um auxílio, um conforto. São as chamadas consultas.

Se pararmos para fazer uma comparação com os irmãos católicos, que conversam com os seus santos de devoção através das imagens nos altares, na Umbanda o trabalho de consulta permite que o consulente esteja “frente a frente com o santo”. E o grande perigo está nesse pensamento de que o assistente está diante de um espírito poderoso, sobrenatural, que tudo sabe, tudo vê e tudo pode. E não é nada disso. 

Existem muitas pessoas que vêm perguntar aos guias sobre assuntos os mais variados: saúde, vida sentimental, vida material e até mesmo vida espiritual. Querem emprego, namorados, dinheiro, posição. Querem se livrar dos inimigos, dos aborrecimentos; querem ganhar na loteria, saber do marido ou mulher e com quem andam. Querem que os guias dêem respostas para qualquer pergunta por mais indiscreta e complicada que seja e que, além disso, resolva rapidamente as situações mais escabrosas, os problemas mais difíceis. Nada disso é sério.

Consulta na Umbanda é esclarecimento, conselho amigo e sábio dado por um guia de Luz que enxerga longe para ajudar a quem necessita, para caminhar na estrada difícil da escola da vida. 
O médium que dá consultas, quando incorporado com seus guias, assume uma grande responsabilidade para com a pessoa atendida.
O consulente tem, habitualmente, propensão para acreditar cegamente em tudo o que ouve do médium incorporado. Uma palavra leviana pode ter conseqüências gravíssimas e irremediáveis, pode levar a erros e injustiças, pode afastar o consulente do caminho da luz, pode provocar dramas.
Alguns assuntos são delicados.

Saúde por exemplo: médium não é médico, logo não tem direito de diagnosticar nem receitar remédio de farmácia.
Os Guias verificam se a doença é de origem espiritual ou material e, então, aconselham o paciente, porém, sem ter a pretensão de substituir o “casaca-branca” (médico) da Terra. É verdade que alguns guias receitam banhos de ervas ou chás. Mas para isso é preciso muito cuidado e o médium responsável deve conhecer bem as ervas receitadas para evitar possíveis aborrecimentos ou acidentes.

Em todos os casos, temos que entender que os guias, por mais esclarecidos e evoluídos que sejam, não são infalíveis nem dotados do conhecimento integral de tudo que acontece no Universo. Guia não é Deus.
O saber de cada guia é fator de sua evolução e vai depender principalmente da dedicação dos seus médiuns, em estudar, aprender e evoluir.

Os guias podem ignorar ou não ter licença para dizer certas coisas. Ora, uma Entidade de luz é disciplinada e prefere calar-se a dizer o que não deve. Os guias se limitam também aos ensinamentos pregados pela doutrina da Casa. Nenhum guia vai orientar um assistente a fazer algo que seja contrário à filosofia do terreiro no qual está trabalhando. 

Por exemplo, entidade mandar arriar obrigação nas esquinas, na mata ou na calunga (cemitério), se isso não faz parte dos ensinamentos do terreiro. É mais a vontade do médium se sobrepondo aos trabalhos da entidade e do terreiro. Isso pode trazer sérias conseqüências para o trabalho da Casa, e o médium pode (e deve) ser afastado da corrente mediúnica.

Há pedidos sobre o futuro aos quais nem sempre o guia pode responder, o futuro é aleatório e seu conhecimento não é aberto a todos. O médium deve sempre se lembrar que entidade não está no terreiro para adivinhar o futuro de ninguém. Lembremos do nosso livre-arbítrio. Por isso o médium deve estar consciente do seu trabalho. Algumas perguntas não passam de fofocas e os guias não têm tempo a perder com este gênero.

Um guia que está dando passe não precisa conversar para saber do que é que a pessoa necessita; nem precisa colocar seu médium a par dos problemas que a afligem. Ele vai ajudar no que for possível.
A utilidade da consulta vem da necessidade que as pessoas têm de contar seus problemas a um amigo discreto, compreensivo e que pode lhe dar bons conselhos, esclarecendo dúvidas, ajudando de fato, explicando, encorajando, consolando. As pessoas precisam de um ouvido atento, de um amparo afetivo. Necessitam poder se abrir sem constrangimento.


Na SEFA, o médium só está autorizado a dar consultas quando chega à função de Subchefe de Terreiro (SCT), pois entendemos que o médium de quarto grau, já está apto para o atendimento ao público nas sessões de caridade, quando há consultas com a assistência. Mesmo assim o seu trabalho deve ser sempre aprimorado com estudos e desenvolvimento mediúnico, para não estagnar o desenvolvimento com seus próprios guias e com os trabalhos da Casa. Assim como o Abaré-Mirim assume o primeiro grau de chefia, passando pela primeira consagração de abaré e prestando juramento ao Comando da Casa. Logo, ele deve buscar sempre o seu aprimoramento espiritual e de conduta com seus irmãos de corrente, e consigo mesmo, dentro e fora do terreiro. Quanto mais responsabilidade o médium ganha maior é a necessidade de vigiar a si mesmo, pois ele serve de exemplo para os demais, podendo ser esse exemplo positivo ou negativo. Por isso, devemos sempre lembrar que o estudo, o aprendizado e o desenvolvimento mediúnico são eternos.

Fonte:http://falangeirosdaaruanda-sefa.blogspot.com.br/2016/03/consulta-na-umbanda.html

Postagens mais visitadas deste blog

ECTOPLASMIA OU MATERIALIZAÇÃO - A EXTERIORIZAÇÃO DA SENSITIVIDADE MEDIÚNICA

ECTOPLASMIA
É a produção de ectoplasma e dos efeitos psicofísicos decorrentes de seu uso. Nome pelo qual Richet designou as materializações fantasmáticas. Meyers empregou o termo ectoplasia, mas o termo ectoplasmia já está incorporado ao vocabulário espírita. Segundo um dos maiores estudiosos dos fenômenos psíquicos no Brasil, Dr. Hernani Guimarães Andrade, entre os termos materialização ectoplasmia, ele prefere o segundo, pois significa forma modelada exteriormente ao organismo do agente plasmador. Em particular, a substância dócil à modelagem é o ectoplasma, quando se trata de um fenômeno paranormal. O fenômeno de ectoplasmia pode dividir-se em três tipos: a - A psicoplastia, quando o ectoplasma assume formas diversas devido à ação psicocinética exclusiva do médium. b - A duplicação ectoplasmática, em que o perispírito do médium serve de organizador do ectoplasma, produzindo uma réplica do médium. c - A produção de agênere ectoplasmático, na qual o médium funciona apenas como doado…

OS NOMES SIMBÓLICOS DOS GUIAS DE UMBANDA

OS NOMES SIMBÓLICOS DOS GUIAS DE UMBANDA
Pesquisa Realizada por Maria de Fátima Gonçalves

Base de pesquisa “Teologia de Umbanda Sagrada” e “TRATADO GERAL DE UMBANDA”,
autor: Rubens Saraceni, Editora Madras

INTRODUÇÃO- O QUE É MISTÉRIO

Cada Guia Espiritual de Umbanda Sagrada é um iniciado no Mistério que seu nome
simboliza ou oculta.
Mistério é algo que em si mesmo traz as condições de realizar-se. Está em tudo e em
todos, como faculdade e poder ativos ou em estado potencial.
Um mistério está no princípio, no meio e no fim de tudo e de todos. Em algumas coisas,
está como qualidade intrínseca. Em outras está como qualidade extrínseca. Mas em todas as coisas está presente, ainda que não possamos identificar sua presença em nível material.
Mistério é algo que está em Deus e no que Ele criou, gerou e emanou. É algo que está
no Criador como uma de Suas faculdades e está na Sua Criação como Sua qualidade.
Exemplo: o Mistério direcionador: Em Deus, tudo é direcionado e tudo o que Ele gera
traz em si o sent…

SINTOMAS DA MOVIMENTAÇÃO DE ENERGIAS NO CAMPO ENERGÉTICO HUMANO

SINTOMAS DA MOVIMENTAÇÃO DE ENERGIAS NO CAMPO ENERGÉTICO HUMANO Pessoal, abaixo trago um texto do Wagner Borges e no final farei algumas considerações dentro do mesmo assunto que acho pertinentes. Por Wagner Borges (Considerar essa relação somente quando já excluídas todas as possíveis causas, físicas ou psicológicas, para os sintomas.) 1. Agulhadas 1.1 – Negativo: Ataque obsessivo consciente, caracterizado por pontadas grossas nas regiões dos chacras. 1.2 – Positivo: Pontadas finas no duplo etérico, patrocinadas por amparadores, com o objetivo de abrir e canalizar energias para finalidades variadas, como cura ou desenvolvimento energético. 2. Apatia 2.1 – Negativo: Doentes Extrafísicos: Assimilação simpática com entidade doente psicologicamente deprimida. Vampirismo: Evasão de energias, com conseqüente perda de vitalidade. Pode ser promovido por obsessores desencarnados bem conscientes, ou até mesmo por pessoas encarnadas, consciente ou inconscientemente. 3. Ardência nos Olhos 3.1 – Positivo: P…